28 de jul de 2011

O príncipe sapo


 O príncipe sapo

Era uma vez uma princesinha que estava a brincar no bosque, junto a um riacho. Saltava, corria e divertia-se a lançar uma bolinha de ouro.
A certa altura, a bolinha rolou pelo chão e foi cair à água.
A princesinha ficou desesperada. Tinha perdido o seu brinquedo preferido! Sentou-se na margem do riacho e começou a chorar.
"Coitadinha de mim! Perdi a minha bolinha. Quem poderá ajudar-me a encontrá-la?"
"Eu posso ajudar-te!", disse alguém a coaxar. Era a voz de um sapo muito feio, com uma boca muito grande. "Vou mergulhar para procurar a tua bolinha", disse, "mas tens de prometer que me vais receber em tua casa. Vais ter de me deixar comer no teu prato e dormir na tua cama e, de manhã, vais dar-me um beijinho."
A princesinha olhou para o sapo horrorizada: quem é que aquele parvo atrevido julgava que era!
Mas como gostava tanto da sua bolinha... acabou por aceitar.
"Se me trouxeres a minha bolinha de ouro, farei tudo o que me pediste", prometeu.
O sapo saltou para a água e pouco tempo depois apareceu com a bolinha de ouro na boca. A princesinha regressou a casa toda contente e nunca mais se lembrou do sapo, nem daquilo que lhe tinha prometido.
Naquela noite, porém, enquanto estava a jantar no seu pratinho de ouro, ouviu alguém bater à porta, que disse a coaxar:
"Abre a porta princesa. Lembra-te da tua promessa!"
Mal ouviu o sapo, a princesa correu para os braços do rei, seu pai. A chorar, contou-lhe tudo sobre a bola, o riacho e o sapo. "Se fizeste uma promessa", disse o rei, "deves cumpri-la!"
E foi assim que o sapo comeu no prato da princesa e adormeceu na sua cama. Ela, por sua vez, esteve toda a noite, sem pregar olho, sentada no canto do quarto.
De manhã, mal acordou, o sapo desatou a saltar pelo quarto fora, dizendo: "Agora quero um beijinho, agora quero um beijinho!"
A princesa encheu-se de coragem. Fechou os olhos, tapou o nariz e, esticando os lábios o mais que podia, deu um beijinho ao sapo.
"Depois disto não voltarei a ver este bicho horroroso!", pensou a princesa.
E tinha razão, porque quando abriu os olhos, em vez do sapo, estava um belo príncipe, que, de joelhos, lhe disse: "Uma bruxa má lançou-me um feitiço e só o beijo de uma princesa me podia salvar."
Feliz como nunca, a princesa abraçou-o e, um dia depois, casaram-se.

"Fábulas maravilhosas", ilustrações de Paolo Cardoni, Porto Editora 

Fonte:http://www.coolkids.guarda.pt/


0 comentários:

Postar um comentário