22 de nov de 2010

Ladainhas para pular corda


Subi numa roseira
Quebrei o galho
Me segure, "fulana"
Senão eu caio.

Modo de brincar: grupos de 4 a 6 crianças com uma corda. Duas crianças "batem" corda girando-a. Outra criança entra na corda, recita os versos até o fim, chama o nome de quem a substituirá ( fulana).









-Ai,ai (criança que salta)
-Que tem? (grupo)
-Saudades (criança que salta)
-De quem? (grupo)
-Do cravo, da rosa, da malva cheirosa,da "fulana" bonita do meu coração. (criança que salta)

Modo de brincar: grupos de 4 a 6 crianças com uma corda. Duas crianças "batem" corda girando-a; outra criança entra na corda e inicia o diálogo com o grupo; ao final chama o nome daquela que a substituíra "fulana", e sai da corda.









Um homem bateu em minha porta
e eu abri,
Senhoras e senhores,
pula num pé só,
Senhoras e senhores,
Põe a mão no chão.
Senhoras e senhores,
dá uma voltinha,
E vá... pro olho...da rua!

Modo de brincar: duas crianças "batem" corda, girando-a. Todas as crianças recitam a ladainha. Durante o primeiro verso, uma delas entra na corda e vai executando os movimentos citados; no último verso ela sai da corda. Reinicia-se a brincadeira com a entrada de outra criança.
Variação: O professor e as crianças criarão outros movimentos mais complexos como, por exemplo, "pular agachado"," pular batendo palmas", etc.

 



Batalhão-lhão-lhão
Quem não entra é um bobão!
Abacaxi-xi-xi
Quem não sai é um saci


Modo de brincar: duas crianças "batem" corda, girando-a. Durante a primeira metade da ladaínha, as crianças são desafiadas a entrar no corda; na segunda metade, devem sair.
Observação: essa brincadeira deve ser realizada com uma corda coletiva longa; isso possibilitará a entrada de muitas crianças ("batalhão").



Salada, saladinha
Bem temperadinha
Com sal, pimenta,fogo ,foguinho.

Modo de brincar: duas crianças "batem" corda, girando-a com velocidade normal. Quando chegar no "foginho" deve-se "bater" corda com um ritmo acelerado.









-Tum, tum (grupo)
-Quem é ? (quem salta)
-Padeiro. (quem vai entrar)
-Pode entrar que eu vou buscar o dinheiro. (quem salta)

Modo de brincar: grupos de 4 a 6 crianças com uma corda. Duas crianças "batem" corda, girando-a. As outras formam uma pequena coluna. A primeira criança da coluna entra na corda e estabelece um diálogo com a segunda coluna, que a substituirá ao final dos versos; e assim por diante.


Fonte:   http://jogosebrincadeirasparacriancas.blogspot.com/


20 de nov de 2010

Consciência Negra - Sugestão de Atividades

Sugestões de Atividades
       
  • Propor aos alunos que listem duas características físicas e duas características de seu caráter/personalidade. 
  • Recolher todas as listagens e, de forma lúdica, ler uma a uma para a classe instigando os alunos a descobrirem quem é o dono de cada característica. 
  • Após a brincadeira abrir uma roda de conversa levando-os a refletirem sobre a dinâmica, sondando: O que percebemos com essa vivência? Existem pessoas exatamente iguais? 
  • Permitir que os alunos expressem suas opiniões e, em um segundo momento, propor que todos se observem atentamente e analisem as diferenças entre eles, levando em consideração os tipos de cabelo, as cores dos olhos e da pele, os formatos dos narizes e dos lábios, as alturas, etc. Para criar um clima mais afetivo introduza uma música ambiente tranqüila e permita o toque caso desejem.

    Como dever de casa peça que levem figuras de pessoas diferentes e de pessoas que admiram/idolatram. (É importante o professor também pesquisar e contribuir levando imagens de crianças do mundo inteiro, das diversas religiões, como se vestem e como são diferentes).

    Peça aos alunos que separem as figuras dos ídolos e primeiro explore bastante as diversas imagens. Peça que justifiquem a escolha das mesmas, que dêem um adjetivo para cada uma delas: essa pessoa parece ser...? Proponha que agrupem as figuras usando o critério que preferirem e que o justifiquem. Converse, então, sobre o preconceito e a discriminação, baseados na aparência.

    Aproveite para falar sobre os tons de pele, sobre a importância de diversas culturas, riqueza cultural dos diversos continentes.
    Com as figuras dos ídolos analise quantos são negros e liste nomes de personalidades negras conhecidas da classe. Promova uma conversa informal com a classe para perceber que critérios eles utilizam para eleger seus "modelos": beleza, riqueza, talento, carisma, etc.

    Em artes plásticas podem ser confeccionados bonecos negros. É interessante “dar vida” aos bonecos propondo que os alunos os transformem em personagens que podem interagir através de dramatizações e entrevistas.

    Brincando, a criança aprende a lidar com o mundo e forma sua personalidade, recria situações do cotidiano e experimenta sentimentos básicos. Logo, vale pesquisar, juntamente com os alunos, jogos e brincadeiras tradicionais africanos e possibilitar momentos de integração e descontração onde as crianças brinquem e joguem.

    Fonte:

    http://www.projetospedagogicosdinamicos.com/negro.htm

    19 de nov de 2010

    Atividades Dia da Bandeira




    Hino à Bandeira


    Hino à Bandeira
    Musica: Francisco Braga
    Versos: Olavo Bilac


    SALVE LINDO PENDÃO DA ESPERANÇA,
    SALVE SÍMBOLO AUGUSTO DA PAZ!
    TUA NOBRE PRESENÇA À LEMBRANÇA
    A GRANDEZA DA PÁTRIA NOS TRAZ

    RECEBE O AFETO QUE SE ENCERRA,
    EM NOSSO PEITO JUVENIL,
    QUERIDO SÍMBOLO DA TERRA
    DA AMADA TERRA DO BRASIL!

    EM TEU SEIO FORMOSO RETRATAS
    ESTE CÉU DE PURÍSSIMO AZUL
    A VERDURA SEM PAR DESTAS MATAS,
    E O ESPLENDOR DO CRUZEIRO DO SUL...

    RECEBE O AFETO...

    CONTEMPLANDO O TEU VULTO SAGRADO,
    COMPREENDEMOS O NOSSO DEVER,
    E O BRASIL POR SEUS FILHOS AMADO,
    PODEROSO E FELIZ HÁ DE SER

    RECEBE O AFETO...

    SOBRE A IMENSA NAÇÃO BRASILEIRA,
    NOS MOMENTOS DE FESTA OU DE DOR,
    PAIRA SEMPRE SAGRADA BANDEIRA
    PAVILHÃO DA JUSTIÇA E DO AMOR.

    RECEBE O AFETO...


    13 de nov de 2010

    Pinheirinho de Natal - história


    PINHEIRINHO DE NATAL 


    Tudo aconteceu há muito tempo atrás.          
    Era noite de natal e no céu estava uma linda  lua.
    O céu iluminado; era uma noite especial porque havia acontecido o nascimento de Jesus.           
    José e Maria estavam adorando o menino Jesus na sua manjedoura.
    Tinha perto deles três árvores uma oliveira, uma palmeira e um pinheiro.
    As árvores também estavam adorando esta noite especial e conversando, queriam dar um presente para Jesus.
    A oliveira falou que ia dar de presente para o menino Jesus o azeite para aquecer seus pés e mãos.         
    A palmeira disse que iria refrescar Jesus nas noites de calor.             
    O pinheiro foi ficando triste e murchando.  Então a oliveira perguntou porque ele estava triste? E a palmeira falou que ele não tinha nada para oferecer ao menino Jesus e que iria espinhar o menino.
    Então ele foi ficando mais triste e murchando, murchando mais. 
    Uma fada que passava por ali ficou com dó do pinheirinho e resolveu ajuda-lo.
    Ela teve a idéia brilhante de ir até o céu e derrubar algumas estrelas no pinheirinho.              
    E o pinheirinho foi ficando iluminado, iluminado e foi levantando seus galhos e foi ficando feliz de novo.                
    E o menino Jesus gostou tanto do brilho que bateu seus pezinhos de tanto que gostou.             
    E foi assim que surgiu o primeiro pinheirinho de natal.                      

    Figuras de Natal da Turma da Mônica

    Eu amo a Turma da Mônica...então não poderia faltar essas imagens lindas. Com elas podemos montar diversas atividades: jogo dos sete erros, produção de texto, atividades de matemática, enfim...usem e abusem da criatividade.



















    História do Natal

    De onde vem Papai Noel?


    Papai Noel

    Você sabe como surgiu a lenda do Papai Noel? Alguns acreditam que ela surgiu na Idade Média, quando a peste matou milhares de crianças. A lenda dizia que Noé, o mesmo que construiu a arca, teria pedido a Deus que o enviasse novamente à Terra, para que pudesse alegrar um pouco os pequeninos. Deus aceitou, e então Noé surgiu como o velho Noel distribuindo os bichinhos de sua coleção de animais para divertir a garotada.

    Outra tradição conta que Papai Noel foi um bispo católico muito bondoso, chamado Nicolau, que viveu na no século 5. Cansado de ver o sofrimento de seu povo , especialmente das crianças, ele resolveu presentear a garotada com brinquedos e comida todo final de ano. Por isso, Papai Noel também é conhecido como São Nicolau, o santo das crianças, e seu dia é comemorado em 6 dezembro. O nome em inglês do Papai Noel, Santa Klaus, vem exatamente desse velhinho bonzinho.

    Se depender do Papai Noel, o mistério vai continuar para sempre! Mesmo que não passe de uma lenda, ele simboliza a bondade e a alegria que a gente deve carregar no coração, durante o Natal e o ano inteiro!



    A história do Presépio


    Há muito tempo, em Groccio, na Itália, São Francisco de Assis estava com um problema. Ele não conseguia explicar para os camponeses como havia sido a noite do nascimento de Jesus. Foi aí que ele teve uma idéia genial: pegou um pouco de argila, e com muita paciência moldou vários bonequinhos de barro.

    Primeiro, fez um bebê. Em seguida, o pai e a mãe. Mais argila e foram saindo três reis montados em camelos, alguns pastores, um boi, um burrinho e por fim um bela estrela! Depois, foi só arrumar tudo e pronto: São Francisco havia montado, no ano de 1223, o primeiro presépio do mundo!

    Quando os camponeses viram a cena do presépio, eles ficaram muito curiosos: quem eram aqueles três reis montados em camelos? Aqueles pastores, o que faziam ali? E porque Jesus, o rei dos reis, havia nascido numa gruta? Foi então que São Francisco lhes explicou, tim-tim por tim-tim, o que cada uma daqueles bonequinhos representava:

    Jesus

    Para os cristãos, Jesus é considerado o Messias, aquele que, com seu amor e bondade ilimitados, veio ao mundo livrar todos os homens de seus pecados. A data do seu nascimento, o Natal, é comemorada na passagem do dia 24 para o dia 25 de dezembro.
    Muitas pessoas gostam de reunir a família para lembrar Jesus, seus ensinamentos e sua prova de amor pela humanidade ao ser crucificado. Esta também é uma época em que as pessoas, inspiradas no exemplo de Cristo, procuram realizar boas ações e ajudar os outros.
    E para as crianças, o Natal é sempre uma data muito especial, pois, como Jesus quando nasceu, elas ganham muitos presentes. Mas no Natal, essa troca de presentes simboliza algo maior: o amor entre você, seus familiares e amigos queridos.

    A Manjedoura

    Como é que Jesus, o Rei dos Reis, nasceu numa gruta que servia de estábulo? E mais: cercado por animais e saudado por pobres pastores? Acredite se quiser, aquele que era considerado o Messias nasceu num lugar simples assim, sem nenhum luxo ou ostentação.
    Por isso, no presépio, a Manjedoura - o cocho onde os animais comiam e que serviu de berço para Jesus - simboliza uma das maiores e primeiras lições que Cristo nos ensinou: a humildade. Pois, apesar de poder ter nascido num palácio, ele escolheu nascer no lugar mais simples da Judéia, em Belém.

    Estrela de Belém

    Reza a tradição cristã que, na época do Natal, uma estrela de grande brilho surgiu no céu, indicando a todos o local onde nasceria o Messias. Com sua luz inconfundível, foi a Estrela de Belém que guiou os três Reis Magos até o estábulo que abrigava Maria, José e o menino Jesus.
    Curiosidade: para os cristãos, a Estrela de Belém é um dos maiores símbolos de Cristo, que veio à Terra para, com seu brilho, iluminar os passos da humanidade.

     Os Três Reis Magos

    Montados em seus camelos, três reis atravessaram grandes desertos, desafiando o sol ardente, a sede e inúmeros outros perigos para chegarem à Judéia. O velho europeu Melchior, o jovem africano Gaspar e o asiático Baltazar haviam visto a Estrela de Belém brilhando no céu no dia 6 de janeiro, e guiados por ela, viajaram muito para saudar a chegada daquele que, segundo a profecia, seria o Rei dos Reis.

    Após uma longa viagem, eles finalmente chegaram à gruta onde havia nascido Jesus. Emocionados, cada um deles se ajoelhou e ofereceu um presente. Balthasar saudou o menino com ouro, símbolo da realeza. Gaspar trouxe incenso, utilizado para louvar aos deuses. E Belquior ofereceu mirra, uma resina usada para perfumar e embalsamar. Assim, os Reis Magos homenagearam Jesus como rei (ouro), como deus (incenso) e como homem (mirra).
    Curiosidade: hoje, os reis magos representam os povos do mundo, de todas as raças: branca, negra e amarela. E é por causa da data em que viram a estrela de Belém brilhando no céu que desmontamos a árvore de Natal no dia 6 de janeiro, o Dia de Reis. 


    A árvore de Natal
    A primeira árvore de Natal parecida com as que vemos hoje foi montada em Estrasburgo, na França, em 1605. As pessoas que a "inventaram" achavam que ela traria boa sorte. Mas foi só no século 17 que os alemães utilizaram o pinheirinho para montar suas primeiras árvores de Natal. Eles escolheram esta árvore, pois acreditavam que suas folhas sempre verdes simbolizavam, como Jesus, a renovação da vida.
    A árvore de Natal é sempre desmontada no dia 6 de janeiro, o dia em que os três Reis Magos avistaram a Estrela de Belém e decidiram viajar para encontrar o menino Jesus.

    Cartões de Natal

    Em 1846, na Inglaterra, Sir Henry Cole estava com um problema. Ele era o diretor do museu Victoria and Albert, e como estava muito ocupado, acabou esquecendo de mandar as cartas desejando um feliz Natal para seus amigos. Quando se lembrou, o Natal estava próximo e ele não havia escrito nada.

    Foi aí que ele teve uma idéia genial. Mandou um artista amigo seu fazer uma gravura bem bonita, mandou imprimir várias cópias e escreveu atrás uma frase bem curta: "Que Deus lhe dê um Feliz Natal". Foi só enviar, e foi aquele sucesso.

    As pessoas não estavam acostumadas a receber uma obra de arte pelo correio, e ficaram maravilhadas. No Natal seguinte, ninguém perdeu tempo, e todos começaram a copiar a brilhante idéia de Sir Henry Cole. Em poucos anos, tornou-se hábito enviar um cartão com um belo desenho, desejando Feliz Natal.

    Enfeites de Natal
    As bolas coloridas e os enfeites da árvore de Natal são um símbolo dos bons frutos e ações que colhemos em nossa vida, e que ofertamos ao menino Jesus como prova de nosso amor.

    Guirlanda

    As guirlandas que ficam na porta das casas são um antigo símbolo cristão que marca a chegada do menino Jesus. Elas são feitas com ramos de pinheiros e utilizam um laço vermelho, que simbolizam o amor entre os cristãos. No centro, são colocadas quatro velas, que devem ser acesas uma a cada domingo antes do Natal.

    Missa do Galo

    A Missa do Galo foi rezada pela primeira vez por São Telésforo, no ano de 143. Ele ordenou que, exatamente à meia-noite, em todas as igrejas, os cristãos comemorassem a chegada de Cristo ao mundo. Só que, como a celebração se estendia até a madrugada, os fiéis ouviam os galos cantando. Por isso, acabaram batizaram esta missa realizada na noite do Natal com o nome de Missa do Galo.


    Fonte: http://www.canalkids.com.br





    Comemorando!!!!

    Oi pessoal!!! Meu cantinho está em festa!!

    Estamos comemorando 100.000 visitas...Quero agradecer à todos que passam por aqui e deixar todo o meu carinho a cada um de vocês. Obrigada!!!

    7 de nov de 2010

    Proclamação da República - atividades












    Atividades Proclamação da República

    1.      Quando a família real partiu para a Europa:

    1. 1 dia depois da proclamação da república

    1. 2 dias depois da proclamação da república

    1. 4 dias depois da proclamação da república


    2.      O Marechal Deodoro da Fonseca proclamou a república:

    1. No Quartel-General do Exército

    1. No Palácio do Governo

    1. No Paço Imperial


    3.      A proclamação da republica aconteceu na manhã de:

    1. 15 de novembro de 1889

    1. 13 de Maio de 1888

    1. 21 de abril de 1889


    4.      Por quanto tempo Dom Pedro II ficou no poder:

    A.    12 anos

    B.     26 anos

    C.    49 anos


    5.      Por quanto tempo Dom Pedro II ficou no poder:

    A.    Floriano Peixoto

    B.     Benjamin Constant

    C.    Rui Barbosa


    6.      A proclamação da república foi proclamada por:

    A.    Marechal Deodoro da Fonseca

    B.     Benjamim Constant

    C.    Floriano Peixoto


    7.      Qual foi a frase que O marechal Deodoro da Fonseca proclamou:

    A.    Independência ou Morte

    B.     Salve a República

    C.    Liberdade de Expressão

    8.      O Brasil antes de ser uma República era um:

    A.    Reinado

    B.     Império

    C.    Tribo



    9.      O Brasil antes de ser uma República era um:


    A.    15 de novembro de 1889

    B.     17 de novembro de 1889

    C.    19 de novembro de 1889


      N  No dia a proclamação Dom Pedro II estava em:

    1. Ouro Preto

    1. Petrópolis

    1. São Paulo

    Jogo Interativo (Proclamação da República)
    As questões acima fazem parte do jogo interativo que estão no site:

    Atividades - Proclamação da República

    Você sabe o que aconteceu na manhã de 15 de novembro de 1889?
    A proclamação da República!
    Antes de conhecer a história da proclamação da República, vamos entender primeiro o que é República e Império.
    A República é um governo que procura atender aos interesses gerais de todo o cidadão. É o povo que elege o seu Chefe de Estado, que exercerá um mandato temporário. No Brasil, o atual Chefe de Estado é o Presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
    O Brasil, antes de ser uma República, era um Império. O Brasil era governado por um imperador chamado Dom Pedro II. Ele teve o poder absoluto do governo durante 49 anos.
    Muitas pessoas apoiaram o fim do Império e o início da República. São elas: as pessoas que participaram das campanhas abolicionistas, fazendeiros e o exército. Quem começou de fato a conspirar para a derrubada da monarquia foi Benjamim Constant. Porém, quem proclamou a República e pôs fim ao império foi o Marechal Deodoro da Fonseca, figura de maior prestígio no exército. Convencido por Benjamim Constant, o Marechal Deodoro concordou com tal ato no dia 11 de novembro. Foi difícil convencê-lo, pois o Marechal era amigo de Dom Pedro II.
    Na manhã de 15 de novembro de 1889, Deodoro, à frente de um batalhão, marchou para o Ministério da Guerra, e declarou o fim do período imperial, e o início do período republicano. Dom Pedro II, o imperador da época, que estava em Petrópolis, retornou ao Rio. Ele pensava que o objetivo dos revolucionários era apenas substituir o Ministério. No dia seguinte, foi-lhe entregue um comunicado confirmando a proclamação e solicitando sua partida para o exterior. Entre 1889 e 1930 o governo foi uma democracia constitucional e a presidência alternava entre os estados dominantes da época: São Paulo e Minas Gerais.



    Algumas atividades:







    Fonte: http://www.smartkids.com.br/

    Hino da Proclamação da República


    Seja um pálio de luz desdobrado.
    Sob a larga amplidão destes céus
    Este canto rebel que o passado
    Vem remir dos mais torpes labéus!
    Seja um hino de glória que fale
    De esperança, de um novo porvir!
    Com visões de triunfos embale
    Quem por ele lutando surgir!

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós!
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz!

    Nós nem cremos que escravos outrora
    Tenha havido em tão nobre País...
    Hoje o rubro lampejo da aurora
    Acha irmãos, não tiranos hostis.
    Somos todos iguais! Ao futuro
    Saberemos, unidos, levar
    Nosso augusto estandarte que, puro,
    Brilha, ovante, da Pátria no altar!

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós!
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz!

    Se é mister que de peitos valentes
    Haja sangue em nosso pendão,
    Sangue vivo do herói Tiradentes
    Batizou este audaz pavilhão!
    Mensageiros de paz, paz queremos,
    É de amor nossa força e poder
    Mas da guerra nos transes supremos
    Heis de ver-nos lutar e vencer!

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós!
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz!

    Do Ipiranga é preciso que o brado
    Seja um grito soberbo de fé!
    O Brasil já surgiu libertado,
    Sobre as púrpuras régias de pé.
    Eia, pois, brasileiros avante!
    Verdes louros colhamos louçãos!
    Seja o nosso País triunfante,
    Livre terra de livres irmãos!

    Liberdade! Liberdade!
    Abre as asas sobre nós!
    Das lutas na tempestade
    Dá que ouçamos tua voz!

    Divisão com Material Dourado


    Material Dourado (Dicas de como trabalhar)

    Organização da classe

    a) os alunos deverão formar duplas, juntando as carteiras, para que tenham espaço suficiente para utilizar o material e acompanhar as atividades na apostila.
    b) sobre as carteiras, os alunos deverão deixar apenas o envelope com o material (ou a caixa do industrializado), lápis preto, papel sulfite e as apostilas. 

    Dinâmica de trabalho

    a) antes de distribuir o material combine com os alunos que, após a realização das atividades, cada dupla deverá guardar o material como o receberam, verificando se não caiu nenhuma peça no chão.
    b) esclareça aos alunos que, com essas peças, eles realizarão algumas atividades que estão na apostila. os alunos lerão as atividades e responderão cada um em seu próprio ritmo.
    c) peça que abram o envelope ou a caixa e dê um tempo para que manipulem livremente o material. Em seguida, mostre cada peça, nomeando-as: cubinho, barra, placa e cubo. Peça então que separem as peças segundo essa classificação.
    d) ao final de cada atividade, quando todos tiverem terminado, faça a correção coletiva, procurando discutir as diferentes soluções
    • permitir que os alunos tenham oportunidade de explorar o material, antes de iniciar as atividades;
    • dar tempo suficiente para que os alunos possam trabalhar cada atividade com calma;
    • observar a evolução de cada aluno, pois às vezes é necessário acrescentar, formular as atividades para que a aprendizagem seja significativa;
    • antes de distribuir o material, combinar com a classe como este deverá ser usado e quem ficará responsável por guardar as peças em cada grupo;
    • compreender que os alunos, quando utilizam um determinado material, ficam mais agitados, e conversam mais do que o normal. Essas conversas são sinais de análise, reflexão e conclusão, fundamentais para aprendizagem.
    Divisão
    A operação divisão possui 2 idéias muito importantes para serem trabalhadas em situações-problema. Observe:
    a.       Mauro resolveu dividir sua coleção de figurinhas com um amigo. Se ele possui 252 figurinhas, com quantas figurinhas Mauro ficou?
    1. Mauro resolveu colar suas 252 figurinhas em um caderno. Quantas páginas deve ter o caderno para que Mauro consiga colar 9 figurinhas em cada página?
    Na situação a) a idéia é a de divisão em partes iguais e na situação b) a idéia de medida, ou seja, "quanto cabe" é fundamental trabalhar situações em que aparecem essas duas idéias.
    Geralmente, trabalhamos a divisão apenas com a idéia de repartição em partes iguais. Mas como podemos explicar para os alunos a seguinte divisão: 0,8 : 0,2? Com a idéia de medida, essa divisão é expressa da seguinte forma: quantas vezes o 0,2 cabe em 0,8?

    A divisão nas séries iniciais 

    As crianças quando chegam na escola já sabem o que significa dividir, mas não ficam presas a questão da divisão ser feita em partes exatamente iguais. Outro aspecto é que elas não se preocupam com a quantidade de objetos que devem ser divididos. Quando damos uma porção de balas para que possam dividir com um amigo, a distribuição é feita em pequenas quantidades: uma para mim, uma para você até terminarem as balas. Outras crianças distribuem 2 balas para cada um.
    O processo que é feito por elas, traz um conceito de divisão importante, que é o de subtrações sucessivas, isto é, retiro de uma determinada quantidade outras quantidades menores. Observe o exemplo em que a quantidade inicial é de 13 balas e as crianças estão dando 1 bala para cada uma, isto é, no total 2 balas por vez.

    13
    - 2
    11
    - 2
      9
    - 2
      7
    - 2
      5
    - 2
      3
    - 2
     1

    Contando as vezes que foram retiradas 2 balas, temos um total de 6. Portanto, 13 : 2 = 6 e sobra 1 bala.
    Esse processo é conhecido como processo americano de divisão.
    Outra forma interessante de organizar as etapas de uma divisão e entender o algoritmo, é preencher um quadro como o mostrado abaixo:
    Utilizando o exemplo anterior teríamos:

    Quanto tenho para dividir?
    Por quanto(a)as grupos(pessoas) quero dividir?
    Quanto cada um(a) recebeu?
    Quanto dei ao todo?
    Quanto restou?
    13
    2
    6
    12
    1

    Fonte: http://www.recursoseb1.com/portal3/index.php/arquivo-de-ficheiros.html?func=startdown&id=771

    Divisão com Material dourado - parte III


    Terceira aula

    Professor: Nesta aula trataremos da divisão em que o quociente não apresentará centena e depois com zero intercalado entre a centena e a unidade.

    Atividade 1
    Vamos continuar as nossas divisões.
    142 : 2
    Parte I – Usando o material dourado

    Representem com o material dourado o número 142.
    1. Vamos começar a divisão. Como vocês já sabem começamos pelas centenas, neste exemplo, quantas centenas nós temos para dividir? _____. É possível dar 1 centena (placa) inteira para cada um de vocês? _____ No espaço do resultado, coloque a quantidade de centenas que cada um recebeu.
    2. O que faremos com essa centena? Como vimos na aula anterior, trocamos essa centena por 10 dezenas. Então façam isso. Quantas dezenas vocês possuem agora? Quantas dezenas cada um recebeu? _____
    3. Agora vamos dividir as unidades. Cada um recebeu ____ unidade.
    4. Vamos completar com o resultado: Cada um recebeu: _____ centenas ____ dezenas ____ unidades.

    Parte II – Fazendo a conta no papel

    1. Façam o mesmo quadro da aula anterior, escrevendo nos lugares adequados os números dessa divisão.
    2. Dividindo uma centena entre vocês dois, cada um receberá ___ centenas. Não é possível que cada um receba uma centena, então colocamos o 0 na casa das centenas, no resultado.
    3. O que faremos com essa centena? _________. É claro que vocês sabem que devemos trocá-la por 10 dezenas. Mas na conta nós já temos 4 dezenas. Juntando então as dez dezenas da troca com essas que já tínhamos, o total é de ____ dezenas. Escrevam esse valor no lugar indicado pelo professor.
    4. Fazendo a divisão das dezenas, teremos ____ dezenas para cada um. Escrevemos esse valor na casa das dezenas. Quantas dezenas vocês receberam juntos? ___ Coloquem esse valor embaixo das 14 dezenas. Subtraiam os dois valores. Sobrou alguma dezena sem ser dividida? ______
    5. Agora vamos dividir as unidades. Coloquem o resultado dessa divisão em seu local adequado. Quantas unidades vocês receberam juntos? Escrevam esse total embaixo das unidades. Subtraiam esses valores e coloquem o resultado embaixo dessa subtração.


    Atividade 2

    Agora é a vez de vocês fazerem sozinhos. Primeiro com o material e depois numericamente.
    255 : 3 =

    Atividade 3


    Vamos fazer mais uma divisão.
    214 : 2 =

    Parte I – Usando o material dourado

    1. Representem com o material dourado o número 214.
    2. Vamos dividir as centenas. Quantas centenas cada um de vocês recebeu? _____
    3. Vamos dividir as dezenas. Temos agora 1 dezena para ser dividida entre vocês dois, isso significa que nenhum de vocês irá receber dezena inteira. Portanto, vocês deverão trocar essa dezena por ____ unidades. Façam isso.
    4. Quantas unidades vocês têm para dividir? Quanto cada um recebeu? ____
    Vamos completar com o resultado: Cada um recebeu: _____ centenas ____ dezenas ____ unidades.

    Parte II – Fazendo a conta no papel

    1. Façam o mesmo quadro da atividade anterior, escrevendo nos lugares adequados os números dessa divisão.
    2.uas centenas divididas por vocês dois, cada um receberá ___ centena. Os dois juntos receberam ____ centenas. Coloquem esse valor no local indicado e subtraiam.
    3. Fazendo a divisão das dezenas. Cada um de vocês receberá _____ dezenas. Escrevam esse valor na casa das dezenas. O que deve ser feito com essa dezena que não pode ser dividida? _______
    4. Juntando as unidades trocadas e as unidades que já tínhamos, o total será de ______ unidades. Dividindo-as entre vocês, cada um receberá _____ unidades. Coloquem o resultado dessa divisão em seu local adequado. Quantas unidades vocês receberam juntos? Coloquem esse valor embaixo das 14 unidades. Subtraiam os dois valores. Sobrou alguma unidade sem ser dividida? ______

    Atividade 4

    Agora é a vez de vocês fazerem sozinhos. Primeiro com o material e depois numericamente.
    315 : 3 =


    Fonte: http://www.recursoseb1.com/portal3/index.php/arquivo-de-ficheiros.html?func=select&id=37